segunda-feira, 20 de setembro de 2010

A Iniciação ao Handebol de Areia: Entrevista com Rui Elias - RN

Estamos inaugurando uma nova etapa do nosso Blog. Pelo menos uma vez por mês, entrevistaremos alguém que se destaque no mundo do Handebol de Areia. Alguém que venha contribuir para aclarar nossas dúvidas num determinado segmento da modalidade.

Nesse primeiro texto, fruto das inquietações que nos perseguem sobre a iniciação na modalidade, vamos conversar com o Professor Rui Elias, profissional com reconhecido trabalho na cidade de Natal, Rio Grande do Norte. Interessa-nos saber sobre a iniciação de jovens diretamente no Handebol de areia e suas possibilidades.

A título de ilustração, é bom quer todos saibam que no Rio Grande do Norte o Handebol Escolar tem tratamento sem igual em qualquer ponto do mundo. Lá o Handebol de Areia acontece de verdade entre 10 e 18 anos, com inúmeras competições.

12 Perguntas ao Professor Rui Elias

1- Professor Rui fale-nos sobre sua formação e também do trabalho desenvolvido nos esportes do Rio Grande do Norte.

R- Sou formado pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte na turma de 2003, porém já trabalhava na área desde 1994, como árbitro e lecionando em algumas pequenas escolas aqui em Natal. Estou a dez anos no Mundial Colégio e Curso trabalhando especificamente com Handebol de Areia. Com equipes adultas tive a oportunidade de participar do embrião do nosso campeonato brasileiro de clubes de Handebol de Areia, que foi realizado em Fortaleza no ano de 2004, se não me engano. Hoje estou como técnico das equipes do H. C. Natal Norte.

2- Sei que o trabalho de inúmeros profissionais na escola levou às competições de Handebol de Areia para a escola. Fale como esse processo aconteceu.

R- Os Jogos Escolares do Rio Grande do Norte (JERNS) é o maior evento esportivo do nosso estado, sendo a competição alvo de 10 em 10 escolas, e no ano de 1998, se não me engano, iniciou-se nesses jogos a disputa do Handebol de Areia. Inicialmente com poucas equipes, mas hoje os mesmos jogos são divididos em três categorias: mirim (11,12 e 13 anos), infantil (14 e 15 anos) e juvenil (16,17 e 18 anos), com participação de 468 alunos/atletas. Todos jogando exclusivamente handebol de areia, divididos em 54 equipes dos dois sexos.

3- Na formação de suas equipes de Handebol de Areia, o senhor inicia crianças diretamente na areia ou aproveita alunos que foram iniciados no Handebol?

R- A iniciação dos alunos no esporte acontece quase que exclusivamente na areia com três treinos semanais. Desses, em uma única oportunidade o treino acontece na quadra (meu caso). Conheço trabalhos de outros profissionais (maioria) onde tudo é realizado na areia. Como na minha escola só existe o Handebol de Areia, o aproveitamento do trabalho de iniciação feito na quadra só ocorre com alunos transferidos de outras escolas que tenham passado pelo Handebol.

4- Qual a idade média dessas crianças iniciadas na areia e que nunca passaram pelo Handebol?

R- O trabalho ocorre com alunos a partir dos 10 anos (no meu caso), mas já acontecem algumas competições aqui com alunos do ensino fundamental menor (20, 30, 40 e 50 anos).

5- Diga-nos sobre o processo ensino-aprendizagem na modalidade e quais as dificuldades e vantagens desse trabalho.

R- A grande vantagem é que a areia por si só já é muito lúdica, diminui as contusões por impacto no solo, entre outros fatores. Mas em compensação existe a possibilidade do contágio de doenças de pele (vermes de areia).

6- O senhor vê como impeditivo ou algo de muita dificuldade a inclusão de alguns fundamentos para crianças, por conta das dificuldades de locomoção, areia, sol e vento?

R- Não chegam a ser impeditivos, porém temos que, a antes de tudo buscar praticar as atividades em horários adequados por conta do sol. Todos sabem os riscos que o mesmo oferece a nós. Também oriento para o uso de bonés, chapéus e protetor solar. Quanto ao vento e a dificuldade de locomoção, são inerentes a própria modalidade, tendo que ser trabalhadas para uma adaptação.

7- Como se dá a inclusão do giro e da aérea para meninos e meninas nessa idade?

R-Aqui os alunos na categoria mirim não são estimulados quanto ao giro, pois, segundo acordo firmado entre os professores, a regra desta categoria não dá 2 pontos ao gol feito com esse movimento espetacular. O giro só é iniciado aos alunos da categoria infantil, onde a grande maioria dos alunos já está na puberdade, quando adquirem mais força muscular.

8- O senhor acredita que o aluno optando pelo Handebol de Areia, de alguma forma tem prejudicado o Handebol de seu estado?

R- Essa foi uma discussão que ocorreu por muitos anos aqui. Não acredito nisto, pois como no voleibol e voleibol de areia, o Handebol e o Handebol de Areia são distintos e com regras diferentes. A única ligação, além do nome semelhante, é a gestora das modalidades. Nada impede, porém que atletas da quadra venham para a areia ou vice versa. Lógico que como na nossa realidade cada atleta foi iniciado em uma modalidade específica, muitos dos fundamentos são semelhantes, mas necessitarão de treinos para “aprender” essa nova modalidade.

9- Você percebe resistências ao Handebol de Areia no seu estado por parte dos dirigentes, técnicos ou professores?

R- Existem profissionais que trabalham na areia e dizem que não gostam da modalidade, mas a utilizam para ganhar dinheiro nas escolas.

10- É grande o número de jovens que participa das duas modalidades?

R- Como referido anteriormente, nos jogos escolares deste ano estão inscritos 468 alunos/atletas jogando exclusivamente Handebol de Areia, distribuídos em 54 equipes dos dois sexos.

11- Quais as competições na base existentes no estado? Cite todas incluindo copas e torneios oferecidos em todas as esferas.

R- Copa O Descobrimento (Praia do Marco), Copa Independência Mundial, Copa Sagrada Família, Copa Contemporâneo, Jogos Escolares da Zona Norte - JEANS (participando apenas escolas da zona norte de Natal) e Jogos Escolares do Rio Grande do Norte - JERNS (em suas regionais e fase final). nteressante observar que todas essas copas e competições, exceto a Copa O Descobrimento, são realizadas em arenas dentro dos parques esportivos das escolas.

12- O que o senhor recomenda para profissionais que estão iniciando um trabalho na areia com jovens que não conhecem o Handebol.

R- Fazer um trabalho com atividades lúdicas, através de jogos motores e aproveitando o que a areia tem de melhor. Busque desenvolver todas as habilidades necessárias para os alunos no Handebol de Areia e em suas vidas. Não se esqueçam de procurar os horários mais adequados para a prática da modalidade, evitando os horários onde a luz solar é mais intensa.

Agradecemos ao Professor Rui Elias pela inestimável contribuíção ao Handebol de Areia do Brasil.

Próxima Entrevista: Professor Fernando Posada, ex técnico da Seleção da Espanha e atual membro da IHF para o Beach Handball.

8 comentários:

Michell Borba disse...

É desse tipo de iniciatiativa e organização que precisamos em todas as regiões do braisil para tornar mais forte ainda a modalidade.Parabéns!

Marcio Magliano disse...

Imagine que maravilha se todos Estados desenvolvessem iniciativas nesse sentido! Seria fantástico!

Excelente entrevista.

Parabéns!

Silvio Lago disse...

Estou morando em João Pessoa - PB a 6 anos, e com isso, já rodei o nordeste inteiro, e com certeza, nunca vi um trabalho desenvolvido no handebol de areia, como se é desenvolvido no Rio Grande do Norte, sempre disse isso, inclusive ao professor Guerra, que em relação a (nível de escolas) não tem trabalho igual, nota 1000 a todos que trabalham com o handebol de areia nas escolas no RN.
Professores como Welsen, Rui, Carlos Jr, Marcelo e outros, engrandessem o nosso esporte, parabens a todos.
Uma pergunta a meu amigo Rui, ou quem quiser responder.
Queria saber se existe um projeto para que todos os alunos que se destacam no handebol de areia até 18 anos, possam ser aproveitados e serem treinados na categoria adulto (não jogar) mais treinar o handebol de areia, para que estes possam ser aproveitados ou lembrados em alguma convocação para a seleção brasielira?
Obs: A única falha que eu (Silvio Lago) tenho a colocar no trabalho do RN no handebol de areia é o não treinamento (ou posso dizer) a não inclusão do giro nas categorias iniciantes (menores), digo isso porque o Professor Rui colocou na entrevista que não é usado no inicio (modificando a regra do jogo na categoria citada).
Na minha opinião o giro no handebol de areia é tão importante quanto o chute a gol e o drible no futebol, o arremesso a cesta e o passe no basquete, a manchete e a cortada no volei, enfim acho muito importante a inclusão deste fundamento já no 1º contato com a criança no esporte, no handebol de areia o "giro" é muito importante e o que diferencia do handebol indoor, se não for treinado o giro e também vou colocar aqui a aérea, vamos estar treinando o handebol indoor na areia.
Temos a areia para ajudar, são movimentos dificeis mais que se tornam prazerosos por causa do terreno que elas treinam.
Bem, desculpe se estou indo contra algo, só quero ajudar,(não quero polimizar nada), nunca para criticar, até porque sou o 1º a falar (muito bem) do trabalho de todos no RN.
Parabens Rui e a todos que amam o handebol de areia.
Estarei aqui sempre para ajudar.
Abraços a todos...

COPA INDEPENDÊNCIA MUNDIAL DE HANDEBOL DE AREIA disse...

Respondendo ao Professor Silvio Lago...

O trabalho na Categoria Adulta, na verdade está em uma fase nova aqui, com o surgimento de várias equipes novas e por meio de iniciativa dos atletas.
tanto que posso citar aqui as nossas equipes que participam do nosso circuito estadual adulto

no masculino temos:
H. C. Natal Norte
Point do Guaraná
Mundial Colégio e Curso
O Mestre
Asa H. C.
Bacatelas H. C.
H. C. Carcará
H. C. Carcará II
Ubaldo Bezerra
Evas H. C.

Feminino

H. C. Natal Norte
Tecnocar
Ceará Mirim
Mundial Colégio e Curso
Ubaldo Bezerra
Ativas

Silvio Lago disse...

Fico muito feliz em saber que a categoria adulto esta sendo bem trabalhada, só assim vamos ter um handebol de areia muito forte.
Parabens mais um vez a Rui e outros professores que trabalham com o handebol de areia.
Sempre daqui torcendo...

Thiago Moraes disse...

Invejável essa estrutura e organização. E logicamente a iniciativa.

Aqui em Niterói tínhamos o Handebol de Areia nos Jogos Escolares de Niterói(JEN) em duas categorias (até 16 e até 18 anos) até o ano de 99.

Desde então, nada mais. Estamos há 3 anos tentando junto à Secretaria de Esportes incluir novamente a modalidade no JEN, mas não é de interesse da maioria das escolas nem dos professores que mal conhecem a modalidade.

Já oferecemos e ministramos palestras em escolas para maior conhecimento da modalidade afim de conquistarmos mais professores adeptos e alunos/atletas, mas poucas escolas vislumbram as grandes possibilidades que este desporto proporciona.

Parabéns pelo trabalho Prof. Rui Elias. Ótima entrevista!

Anônimo disse...

Guerra,
Aproveitando a iniciativa, pq vc nao lança no Blog um entrevista com o Stanley. Acredito que ele teria muitas coisas importantes para nos dizer. E alem disso poderíamos comentar, o que seria muito bom....

Zezé disse...

GENTE..MEU SONHO..E OLHA QUE TUDO QUE SONHO SE REALIZA,RSRSRSRS...QUERO ASSITIR UMA COMPETIÇÃO NO RN,JA QUE TENHO RAÍZES NESTE ESTADO,E AGORA QUERO VISITAR KMAIS INDA COM ESTE INCENTIVO..TENHO NO HANDEBOL DE AREIA UMA PAIXÃO E ESSA ESTRUTURA NO HANDEBOL DE AREIA ME DEIXA MUITO FELIZ.PARABÉNS PELA BELA ENTREVISTA...ESTAREI TRABALHANDO COM CRIANÇAS EM SÃO GONÇALO NO PISCINÃO E COM CERTEZA QUERO MANTER CONTATO COM QUEM JA ESTA A TEMPO E TEM UM TRABALHO TÃO BONITO.SE POSSIVEL ME PASSAR CONTATO DO PROFESSOR RUI ELIAS.
AGORA ME EMPOLGUEI..E QUERO QUE NO RIO POSSAMOS NOS UNIR E LEVAR O HANDEBOL PARA AS CRIANÇAS..EM TODOS OS LUGARES.
ZEZÉ(Z5 HANDEBOL)